terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Saudade...



Fui invadida por uma saudade, que ao expirar o ar cheguei a sentir o cheiro dela,cheiro que só mãe tem..ah! como eu daria tudo pra sentir aquele cheiro novamente, sentir seus afagos, as vezes bate essa tristeza, essa coisa que dói lá dentro de uma forma que é impossivel conter, uma dor que vem rompendo as paredes da alma e inundando tudo....lembrei-me dela de tardezinha sentada embaixo da arvore no quintal com a agulha de crochet na mão, com suas costuras, ela se sentia bem com isso, ah! nostalgia. Ela ficava lá por horas, fazendo cortinas, tapetes para ela mesma.
- Mãe, a senhora pode costurar meus pensamentos rasgados, colocar um botão no meu coração para fechá-lo, emendar meus sentimentos para torná-los grandes, dá um ponto nas minhas lágrimas para nunca mais caírem e me enfeitar de flores de tecidos para eu ficar bonita?

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Caio...sabio Caio!!!



"Eu só queria que você soubesse do muito amor e ternura que eu tinha — e tenho — pra você. Acho que é bom a gente saber que existe desse jeito em alguém, como você existe em mim."

Caio F. Abreu

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Ok! ( Paula Fernandes )



Ok! Somos seres imperfeitos
Mas ninguém pode julgar nossos defeitos

Lutei contra a saudade eu tive medo
E a distância quis; tentou me machucar
Eu fiz essa viagem pois te quero
E eu vim aqui, eu vim pra te encontrar
Eu estou aqui, eu vim pra te buscar

Ok! Meu bem ta tudo certo
Ninguém... vai desfazer o que esta feito

Fiz minha morada em seu peito
Não vou mais fugir tentando me enganar
Estou apaixonada e não tem jeito
E eu vim aqui, eu vim pra te encontrar
Eu estou aqui, eu vim p'ra te buscar

Ta brincando
Vou à luta amor
Não me rendo, não me entrego á dor
Ta brincando
Se a distancia achou
Que eu iria esconder esse amor
Que eu iria perder o teu amor

Ok! Somos seres imperfeitos
Mas ninguém pode julgar nossos defeitos

Lutei contra a saudade eu tive medo
E a distância quis; tentou me machucar
Eu fiz essa viagem pois te quero
E eu vim aqui pra te encontrar
Eu estou aqui, eu vim pra te buscar
Ok!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Nascemos sós. Morremos sós.


Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam. Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você
mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
Na vida e no amor, não temos garantias.
E nem todo sexo bom é para namorar.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear.
Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.( ou fica )
Nada de drama.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra.
O outro tem o direito de não te querer.
Não lute, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O legal é alguém que está com você por você. E vice versa
Gostar dói.
Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração.
Faz parte. Você namora ( ou está interessada ) um outro ser, um outro mundo e um outro universo.
E nem sempre as coisas saem como você quer...
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é
terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Nascemos sós. Morremos sós.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar,
seu pensamento.

( Texto de Arnaldo Jabor, com pequenas adaptações minhas)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

"Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra..." Caio Fernando Abreu

Estou há dias tentando postar algo meu por aqui, mas simplesmente não consigo, deitei na minha cama ontem a noite e fiquei rabiscando ideias até pegar no sono, e acordar com um doido tocando a campanhia as quatro da manha, óbvio que perdi o sono
e fui ler Caio Fernando Abreu, mas a mente voava de encontro a nossa conversa que acontecera mais cedo...é talvez você esteja certo, talvez toda a razão seja absolutamente sua, talvez...mas continuei fuçando e olha o pensamento que eu achei:
"Sempre que houver alternativa tome cuidado. Não opte pelo conveniente, pelo confortável, pelo respeitável, pelo socialmente aceitável, pelo honroso. Opte pelo
que faz seu coração vibrar.Opte pelo o que gostaria de fazer, apesar de todas as consequencias." (Osho)
Bom depois disso parei de ficar pensando e fuçando, simplesmente adormeci!!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Teus olhos ..os meus instantes

Tão distante fica o brilho do teu olhar
De onde vejo você ficar
Chega mais perto gosto de te olhar
Todos os teus traços ficam pelo ar
Meus olhos dizem como eu gosto de você
Sem saber te contam todos os meus segredos
Falam-te de todo meu querer
De tudo que sinto por você
Mas somente tu ha de saber
Somente teus olhos sabem me ler
Sabem tudo de mim quase sem querer
Só eles conhecem o amor que sinto por você....

(by Claudio RS)

terça-feira, 17 de novembro de 2009

TPM

É exatamente isso mesmo que você tá lendo - TPM. Estou há dias tentando escrever algo pra colocar aqui, mas como um unico assunto povoa meu pesamento, meus sonhos e até mesmo meus suspiros, decidi deixar esse assuntinho lindo de lado...rrsrsrsr, e falar sobre TPM.
Sabe aquele dia que a unica coisa em que você pensa é comer uma barra de chocolate, sentada de frente pra televisão assistindo pela milésima vez aquele filme que te faz chorar e te deixa bem carente?? Ou aquele dia que tudo o que você quer é assassinar a vizinha que num para de ouvir a maldita banda de forró, que está numa alegria insuportável e a unica coisa q você quer é chorar? Até o sorriso dos companheiros da sala ao lado te irritam de uma tal maneira que a tradução perfeita de TPM pra você é "tedencia para matar".
Bom para que vocês meninos passem a nos entender melhor, e nos dê todo colinho necessário nesse período. Ah para que perdoem nossos gritos, nossa impaciencia..um grande amor sempre supera a TPM..

AS 8 VERDADES SOBRE A TPM:

Crises de choro, nervosismo exacerbado, mau humor e impaciência gritante. Sim, ela teima em aparecer todos os meses. Trata-se da tensão pré-menstrual, mais conhecida como TPM, que traz dores de cabeça, retenção de líquido e instabilidade emocional.

Maridos, namorados, amigos, filhos e família, ou seja, aqueles que convivem com as mulheres nesse período também sofrem. Haja paciência para aguentar as alterações hormonais. Para tentar melhorar a convivência ou pelo menos entender o que acontece nesse período, confira abaixo oito verdades sobre o problema, listadas pelo ginecologista Jorge Ferreira Neto:

1) Para o diagnóstico de TPM, a mulher deve apresentar sintomas por mais de três meses. É que, em alguns casos, ocorre apenas um distúrbio hormonal transitório;

2) Acontece após o período ovulatório. Portanto, os sintomas começam a dar sinais de cinco a 10 dias antes da menstruação;

3) A retenção de líquido é muito comum e ocasiona um aumento de peso durante esse período;

4) A maioria se sente mais sensível, pois as alterações hormonais influenciam na produção da serotonina, substância responsável pelo bem-estar, e da melatonina, que se relaciona aos aspectos depressivos. Dependendo da pessoa, o desequilíbrio hormonal ocasiona baixa autoestima e até depressão;

5) Dores de cabeça são comuns durante a TPM;

6) A alimentação influencia diretamente no problema. "Uma das medidas fundamentais é evitar sal marinho, porque contribui para a piora da retenção de líquidos." Vale riscar do cardápio alimentos gordurosos, substâncias com cafeína (refrigerantes do tipo cola, chá preto e vinho tinto) e qualquer tipo de bebida alcoólica. É importante ingerir opções diuréticas, como melancia e morango;

7) A mulherada sente mais vontade de comer chocolate durante a TPM por conta dos níveis de serotonina. O ideal é evitar a delícia de cacau nesse período, já que é gordurosa;

8) A TPM não tem cura. Há tratamentos para amenizar os sintomas indesejáveis. Entre eles estão anticoncepcionais de baixa dosagem e o uso contínuo do ácido gamalinoleico, que é extraído do óleo da folha de prímula. Os medicamentos sempre devem ser prescritos por um médico.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Mulher de Gêmeos

Mesmo que pensem conhecer esta mulher a fundo, as opiniões dos amigos e parentes nunca serão parecidas. A geminiana equivale a várias mulheres, todas diferentes, que variam conforme seu estado de espírito.

Sim, o signo de Gêmeos é o signo da mutação, de todos aqueles que gostam de mudar, experimentar e ultrapassar horizontes. Se existe algo que pode matar esta mulher é a monotonia. Como um camaleão ela vai assumindo várias formas, encantando e intrigando os homens. Ao contrário do que possa parecer, seu jeito misterioso consegue agradar a muitos homens que acabam ficando apaixonados.

A mulher de gêmeos não muda de personalidade. Ela apenas mostra todas as mulheres que vivem dentro dela

As vezes ela pode ser tão volúvel e imprevisível, que se deixará encantar pelo sorriso ou pelo olhar de uma nova paixão para, logo depois, começar a critica-lo com a mesma intensidade. Então, o homem que antes era maravilhoso, vai se tornar tão cheio de defeitos que ela se perguntará como foi capaz de se apaixonar por alguém assim?

Esta capacidade que ela tem para se apaixonar e se desiludir logo em seguida pode partir muitos corações até que tenha certeza de que realmente acabou de conhecer o homem de sua vida. Bem, para falar a verdade, é ele que vai ter que convence-la de que é o homem de sua vida! Se deixar para ela a tarefa de analisa-lo, pode ter uma tremenda decepção! E a melhor maneira de conquista-la é sendo sempre a mesma pessoa. Ela aprecia mudanças em sua vida na sua personalidade e adora experimentar novas sensações. Mas quer um homem bem previsível ao seu lado. Previsível, mas nunca passivo!

Seu temperamento faz com que aceite as mudanças com mais facilidade que as outras mulheres, desde que não esteja relacionado com o comportamento de seu parceiro.

Para ela é difícil entregar-se a uma pessoa sem enfrentar suas dúvidas.

Sabem aqueles desenhos onde alguém é atormentado por um anjinho e um diabinho que ficam dando opiniões sobre o que é melhor fazer? Pois é mais ou menos assim que funciona a mente desta mulher. Sua dualidade sempre estará analisando os prós e contras de todos os relacionamentos. Aquele homem carinhoso e romântico será capaz de ganhar o suficiente para sustentar a casa? E aquele homem que ganha dinheiro como ninguém, não será um tanto frio para confortar seu coração quando estiver carente?

Tirando o amor e o romance que costumam atormenta-la com a idéia de perder sua liberdade, nas outras coisas ela é bem direta e não costuma fazer rodeios!

Mas não se preocupe, ela vai acabar fazendo sempre a melhor escolha do momento.
Se algum dia ela descobrir que a melhor escolha que fez acabou se tornando um pesadelo, não pensará duas vezes em largar tudo para recomeçar do zero! A mulher de gêmeos não se prende muito aos seus erros se descobrir que fez uma escolha errada! Ela vai aprender com a experiência e dificilmente vai repetir os mesmos erros!

Normalmente ela é uma companheira animada, agradável e alegre.

Tirando suas fases azedas que fazem com que fique insuportável com seu cinismo e língua afiada, seu outro lado romântico e aventureiro faz com que tenhamos a sensação de que estamos diante de uma grande amiga ao invés de uma namorada. Ela acompanhará o namorado em tudo que fizer, desde uma escalada em uma montanha até uma aventura na África! Para ela não existe esta coisa de separar as atividades entre feminina e masculina, quando esta apaixonada. Para onde ele for, ela estará ao seu lado!

A geminiana pode estar apaixonada, mas dificilmente deixará de achar outros homens atraentes.

Também costuma ser muito criativa quando o assunto é amor. Curiosa e com uma imaginação fértil, ela é ótima para apimentar relacionamentos. Sua imaginação se revelará quando sua curiosidade for excitada por uma nova descoberta. Para ela não basta ouvir palavras carinhosas e juras de amor. O verdadeiro amante deve agradar seus ouvidos com palavras dóceis, mas não pode se esquecer de surpreende-la na hora do sexo! Lembrem-se que ela detesta monotonia.

A geminiana costuma associar sexo com amor como ninguém. Sua mente não consegue entender como alguém pode ama-la sem fazer com que suba pelas paredes!

Ela jamais tomará um ônibus se pode ir de avião. Jamais ficará calada se puder falar. E jamais andará quando puder correr. Por isso nunca vai se contentar com o mínimo em um relacionamento quando pode ter muito mais.

Apesar de muitas vezes parecer fria e distante, ela deseja ser amada e mimada. Mostre que sempre estará ao seu lado, apesar de suas crises de mau-humor, e terá uma mulher que se entregará por inteira. Aliás, o melhor remédio contra o mau-humor da geminiana é sempre demonstrar amor! Não há chatice que dure muito tempo!

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

TRECHO

...você cresceu em mim de um jeito completamente insuspeitado, assim como se você fosse apenas uma semente e eu plantasse você esperando ver uma plantinha qualquer, pequena, rala, uma avenca, talvez samambaia, no máximo uma roseira, é, não estou sendo agressivo não, esperava de você apenas coisas assim, avenca, samambaia, roseira, mas nunca, em nenhum momento essa coisa enorme que me obrigou a abrir todas as janelas, e depois as portas, e pouco a pouco derrubar todas as paredes e arrancar o telhado para que você crescesse livremente...

(Trecho de "Para uma avenca partindo" Caio Fernando Abreu )

DO OUTRO LADO DA TARDE - CAIO FERNANDO ABREU

Sim, deve ter havido uma primeira vez, embora eu não lembre dela, assim como não lembro das outras vezes, também primeiras, logo depois dessa em que nos encontramos completamente despreparados para esse encontro. E digo despreparados porque sei que você não me esperava, da mesma forma como eu não esperava você. Certamente houve, porque tenho a vaga lembrança - e todas as lembranças são vagas, agora -, houve um tempo em que não nos conhecíamos, e esse tempo em que passávamos desconhecidos e insuspeitados um pelo outro, esse tempo sem você eu lembro. Depois, aquela primeira vez e logo após outras e mais outras, tudo nos conduzindo apenas para aquele momento.

Às vezes me espanto e me pergunto como pudemos a tal ponto mergulhar naquilo que estava acontecendo, sem a menor tentativa de resistência. Não porque aquilo fosse terrível, ou porque nos marcasse profundamente ou nos dilacerasse - e talvez tenha sido terrível, sim, é possível, talvez tenha nos marcado profundamente ou nos dilacerado - a verdade é que ainda hesito em dar um nome àquilo que ficou, depois de tudo. Porque alguma coisa ficou. E foi essa coisa que me levou há pouco até a janela onde percebi que chovia e, difusamente, através das gotas de chuva, fiquei vendo uma roda-gigante. Absurdamente. Uma roda-gigante. Porque não se vive mais em lugares onde existam rodas-gigantes. Porque também as rodas-gigantes talvez nem existam mais. Mas foram essas duas coisas - a chuva e a roda-gigante -, foram essas duas coisas que de repente fizeram com que algum mecanismo se desarticulasse dentro de mim para que eu não conseguisse ultrapassar aquele momento.

De repente, eu não consegui ir adiante. E precisava: sempre se precisa ir além de qualquer palavra ou de qualquer gesto. Mas de repente não havia depois: eu estava parado à beira da janela enquanto lembranças obscuras começavam a se desenrolar. Era dessas lembranças que eu queria te dizer. Tentei organizá-las, imaginando que construindo uma organização conseguisse, de certa forma, amenizar o que acontecia, e que eu não sabia se terminaria amargamente - tentei organizá-las para evitar o amargo, digamos assim. Então tentei dar uma ordem cronológica aos fatos: primeiro, quando e como nos conhecemos - logo a seguir, a maneira como esse conhecimento se desenrolou até chegar no ponto em que eu queria, e que era o fim, embora até hoje eu me pergunte se foi realmente um fim. Mas não consegui. Não era possível organizar aqueles fatos, assim como não era possível evitar por mais tempo uma onda que crescia, barrando todos os outros gestos e todos os outros pensamentos.

Durante todo o tempo em que pensei, sabia apenas que você vinha todas as tardes, antes. Era tão natural você vir que eu nem sequer esperava ou construía pequenas surpresas para te receber. Não construía nada - sabia o tempo todo disso -, assim como sabia que você vinha completamente em branco para qualquer palavra que fosse dita ou qualquer ato que fosse feito. E muitas vezes, nada era dito ou feito, e nós não nos frustrávamos porque não esperávamos mesmo, realmente, nada. Disso eu sabia o tempo todo.

E era sempre de tarde quando nos encontrávamos. Até aquela vez que fomos ao parque de diversões, e também disso eu lembro difusamente. O pensamento só começa a tornar-se claro quando subimos na roda-gigante: desde a infância que não andávamos de roda-gigante. Tanto tempo, suponho, que chegamos a comprar pipocas ou coisas assim. Éramos só nós depois na roda gigante. Você tinha medo: quando chegávamos lá em cima, você tinha um medo engraçado e subitamente agarrava meu braço como se eu não estivesse tão desamparado quanto você. Conversávamos pouco, ou não conversávamos nada - pelo menos antes disso nenhuma frase minha ou sua ficou: bastavam coisas assim como o seu medo ou o meu medo, o meu braço ou o seu braço. Coisas assim.

Foi então que, bem lá em cima, a roda-gigante parou. Havia uma porção de luzes que de repente se apagaram - e a roda-gigante parou. Ouvimos lá de baixo uma voz dizer que as luzes tinham apagado. Esperamos. Acho que comemos pipocas enquanto esperamos. Mas de repente começou a chover: lembro que seu cabelo ficou todo molhado, e as gotas escorriam pelo seu rosto exatamente como se você chorasse. Você jogou fora as pipocas e ficamos lá em cima: o seu cabelo molhado, a chuva fina, as luzes apagadas.Não sei se chegamos a nos abraçar, mas sei que falamos. Não havia nada para fazer lá em cima, a não ser falar. E nós tínhamos tão pouca experiência disso que falamos e falamos durante muito e muito tempo, e entre inúmeras coisas sem importância você disse que me amava, ou eu disse que te amava - ou talvez os dois tivéssemos dito, da mesma forma como falamos da chuva e de outras coisas pequenas, bobas, insiginificantes. Porque nada modificaria os nossos roteiros. Talvez você tenha me chamado de fatalista, porque eu disse todas as coisas, assim como acredito que você tenha dito todas as coisas - ou pelo menos as que tínhamos no momento.

Depois de não sei quanto tempo, as luzes se acenderam, a roda-gigante concluiu a volta e um homem abriu um portãozinho de ferro para que saíssemos. Lembro tão bem, e é tão fácil lembrar: a mão do homem abrindo o portãozinho de ferro para que nós saíssemos. Depois eu vi o seu cabelo molhado, e ao mesmo tempo você viu o meu cabelo molhado, e ao mesmo tempo ainda dissemos um para o outro que precisávamos ter muito cuidado com cabelos molhados, e pensamos vagamente em secá-los, mas continuava a chover. Estávamos tão molhados que era absurdo pensar em sairmos da chuva. Às vezes, penso se não cheguei a estender uma das mãos para afastar o cabelo molhado da sua testa, mas depois acho que não cheguei a fazer nenhum movimento, embora talvez tenha pensado.Não consigo ver mais que isso: essa é a lembrança. Além dela, nós conversamos durante muito tempo na chuva, até que ela parasse, e quando ela parou, você foi embora.

Além disso, não consigo lembrar mais nada, embora tente desesperadamente acrescentar mais um detalhe, mas sei perfeitamente quando uma lembrança começa a deixar de ser uma lembrança para se tornar uma imaginação. Talvez se eu contasse a alguém acrescentasse ou valorizasse algum detalhe, assim como quem escreve uma história e procura ser interessante - seria bonito dizer, por exemplo, que eu sequei lentamente seus cabelos. Ou que as ruas e as árvores ficaram novas, lavadas depois da chuva. Mas não direi nada a ninguém. E quando penso, não consigo pensar construidamente, acho que ninguém consegue. Mas nada disso tem nenhuma importância, o que eu queria te dizer é que chegando na janela, há pouco, vi a chuva caindo e, atrás da chuva, difusamente, uma roda-gigante. E que então pensei numas tardes em que você sempre vinha, e numa tarde em especial, não sei quanto tempo faz, e que depois de pensar nessa tarde e nessa chuva e nessa roda-gigante, uma frase ficou rodando nítida e quase dura no meu pensamento. Qualquer coisa assim: depois daquela nossa conversa - depois daquela nossa conversa na chuva, você nunca mais me procurou.

sábado, 20 de junho de 2009

MEU ANIVERSÁRIO!!!

Hoje é um dia qualquer,
mas, não é um dia comum.
Hoje é meu aniversario!
E eis-me aqui confabulando comigo mesma.
INSANA, ou NORMAL?
Pois estou desejando-me, Feliz Aniversário.
Nunca achei que um dia iria desejar-me
felicidades por estar ficando mais velha.
Mas acabei de fazer isso!
Será insegurança diante da vida?
Será uma maneira de lembrar que mais
um ano se passou, e eu continuo aqui?
Será uma dádiva à agradecer?
Francamente não sei dizer...
Mas prefiro ficar com a ultima opção!

Agradeço à Deus por conceder-me dias,
e momentos felizes.
O carinhoe total compreensão das pessoas.
Dos amigos, a sincera amizade.
Que os momentos tristonhos que tive,
me tornaram maior e mais forte.
Que colocou-me lágrimas nos olhos, mas também
pôs-me sorrisos nos lábios.

Peço à Deus que a esperança continue
sendo cultivada em meu coração.
Que minha crença e fé jamais sejam abaladas.
Que meus sonhos não desvaneçam.
Que meu sorriso jamais se apague.
Que minha alma menina continue amando
as flores e os passarinhos.
E que eu possa no ano vindouro,
parabenizar-me novamente.
Afinal, Deus concedeu-me mais um
ano de vida e de alegria.

Feliz Niver para Mimmm!!!



Lucy

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Gosto Amargo

Aprendi a gostar da solidão
Aprendi a gostar de ficar só
Do mesmo jeito
Que tem gente que aprende a gostar de jiló
E saboreia
Sem fazer cara feia
Come sem sentir seu gosto amargo
Ou se sente não deixa transparecer.
Pois então!
Eu aprendi a gostar da solidão!
Nos primeiros anos
Ela é amarga como jiló
Mas o tempo vai passando
E você vai ficando só
E vai se acostumando com o seu gosto
E ela vai fazendo parte do seu cardápio de vida
E você vai precisando dela
Para alimentar o seu ser
E mesmo sem querer
Você vai ficando dependente
E de repente!
Você já não quer mais dividir o seu espaço
Já não quer mais dividiro o seu colchão
Nem o controle da televisão.
Aí então
A solidão
De jiló passa a ser laranja
Não tão doce feito mel
Porém nem tão amarga como fel.

terça-feira, 26 de maio de 2009

MANIA DE EXPLICAÇÃO

Era uma menina que gostava de inventar uma explicação para cada coisa.
Explicação é uma frase que se acha mais importante do que a palavra.
As pessoas até se irritavam, irritação é um alarme de carro que dispara bem no meio de seu peito, com aquela menina explicando o tempo todo o que a população inteira já sabia. Quando ela se dava conta, todo mundo tinha ido embora. Então ela ficava lá, explicando, sozinha.
Solidão é uma ilha com saudade de barco.
Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue.
Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo.
Autorização é quando a coisa é tão importante que só dizer "eu deixo" é pouco.
Pouco é menos da metade.
Muito é quando os dedos da mão não são suficientes.
Desespero são dez milhões de fogareiros acesos dentro de sua cabeça.
Angústia é um nó muito apertado bem no meio do sossego.
Agonia é quando o maestro de você se perde completamente. Preocupação é uma cola que não deixa o que não aconteceu ainda sair de seu pensamento.
Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa.
Certeza é quando a idéia cansa de procurar e pára.
Intuição é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido.
Pressentimento é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista.
Renúncia é um não que não queria ser ele.
Sucesso é quando você faz o que sempre fez só que todo mundo percebe.
Vaidade é um espelho onisciente, onipotente e onipresente. Vergonha é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora.
Orgulho é uma guarita entre você e o da frente.
Ansiedade é quando faltam cinco minutos sempre para o que quer que seja.
Indiferença é quando os minutos não se interessam por nada especialmente.
Interesse é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento.
Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado.
Raiva é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes.
Tristeza é uma mão gigante que aperta seu coração.
Alegria é um bloco de Carnaval que não liga se não é fevereiro.
Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma.
Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros.
Decepção é quando você risca em algo ou em alguém um xis preto ou vermelho.
Desilusão é quando anoitece em você contra a vontade do dia.
Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas, geralmente, não podia.
Perdão é quando o Natal acontece em maio, por exemplo.
Desculpa é uma frase que pretende ser um beijo.
Excitação é quando os beijos estão desatinados pra sair de sua boca depressa.
Desatino é um desataque de prudência.
Prudência é um buraco de fechadura na porta do tempo.
Lucidez é um acesso de loucura ao contrário.
Razão é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato.
Emoção é um tango que ainda não foi feito.
Ainda é quando a vontade está no meio do caminho.
Vontade é um desejo que cisma que você é a casa dele.
Desejo é uma boca com sede.
Paixão é quando apesar da placa "perigo" o desejo vai e entra.
Amor é quando a paixão não tem outro compromisso marcado. Não. Amor é um exagero... Também não. É um desadoro... Uma batelada? Um enxame, um dilúvio, um mundaréu, uma insanidade, um destempero, um despropósito, um descontrole, uma necessidade, um desapego? Talvez porque não tivesse sentido, talvez porque não houvesse explicação, esse negócio de amor ela não sabia explicar, a menina.

Adriana Falcão

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Sermão de casamento

"Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento na igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre:
"Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?"
Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?

- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?

- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?

- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?

- Promete se deixar conhecer?

- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?

- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?

- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?

- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?

- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?
Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros."

Mário Quintana

BORBOLETAS

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de
se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar
não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Mário Quintana
Por favor, não me analise
Não fique procurando
cada ponto fraco meu
Se ninguém resiste a uma análise
profunda, quanto mais eu!
Ciumenta, exigente, insegura, carente
toda cheia de marcas que a vida deixou:
Veja em cada exigência
um grito de carência,
um pedido de amor!

Amor, amor é síntese,
uma integração de dados:
não há que tirar nem pôr.
Não me corte em fatias,
(ninguém abraça um pedaço),
me envolva todo em seus braços
E eu serei perfeita, amor!

Do livro "Bom dia amor!", 1990

Mário Quintana

FELICIDADE REALISTA

A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos. Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio. Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade. Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno. Olhe para o relógio: hora de acordar É importante pensar-se ao extremo, buscar lá d entro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração. Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.

Mário Quintana

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Tua caminhada ainda não terminou....
A realidade te acolhe
dizendo que pela frente
o horizonte da vida necessita
de tuas palavras
e do teu silêncio.

Se amanhã sentires saudades,
lembra-te da fantasia e
sonha com tua próxima vitória.
Vitória que todas as armas do mundo
jamais conseguirão obter,
porque é uma vitória que surge da paz
e não do ressentimento.

É certo que irás encontrar situações
tempestuosas novamente,
mas haverá de ver sempre
o lado bom da chuva que cai
e não a faceta do raio que destrói.

Tu és jovem.
Atender a quem te chama é belo,
lutar por quem te rejeita
é quase chegar a perfeição.
A juventude precisa de sonhos
e se nutrir de lembranças,
assim como o leito dos rios
precisa da água que rola
e o coração necessita de afeto.

Não faças do amanhã
o sinônimo de nunca,
nem o ontem te seja o mesmo
que nunca mais.
Teus passos ficaram.
Olhes para trás...
mas vá em frente
pois há muitos que precisam
que chegues para poderem seguir-te.

Crônica do amor

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.
O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.
Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.
Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.
Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.
Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.
Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?
Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.
Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a
menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.
Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama
este cara?
Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.
É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura
por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.
Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?
Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.
Não funciona assim.
Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.
Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!
Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.

Arnaldo Jabor

quarta-feira, 8 de abril de 2009

E tudo mudou...

O rouge virou blush
O pó-de-arroz virou pó-compacto
O brilho virou gloss

O rímel virou máscara incolor
A Lycra virou stretch
Anabela virou plataforma
O corpete virou porta-seios
Que virou sutiã
Que virou lib
Que virou silicone

A peruca virou aplique, interlace, megahair, alongamento
A escova virou chapinha
"Problemas de moça" viraram TPM
Confete virou MM

A crise de nervos virou estresse
A chita virou viscose.
A purpurina virou gliter
A brilhantina virou mousse

Os halteres viraram bomba
A ergométrica virou spinning
A tanga virou fio dental
E o fio dental virou anti-séptico bucal

Ninguém mais vê...

Ping-Pong virou Babaloo
O a-la-carte virou self-service

A tristeza, depressão
O espaguete virou Miojo pronto
A paquera virou pegação
A gafieira virou dança de salão

O que era praça virou shopping
A areia virou ringue
A caneta virou teclado
O long play virou CD

A fita de vídeo é DVD
O CD já é MP3
É um filho onde éramos seis
O álbum de fotos agora é mostrado por email

O namoro agora é virtual
A cantada virou torpedo
E do "não" não se tem medo
O break virou street

O samba, pagode
O carnaval de rua virou Sapucaí
O folclore brasileiro, halloween
O piano agora é teclado, também

O forró de sanfona ficou eletrônico
Fortificante não é mais Biotônico
Bicicleta virou Bis
Polícia e ladrão virou counter strike

Folhetins são novelas de TV
Fauna e flora a desaparecer
Lobato virou Paulo Coelho
Caetano virou um chato

Chico sumiu da FM e TV
Baby se converteu
RPM desapareceu
Elis ressuscitou em Maria Rita?
Gal virou fênix
Raul e Renato,
Cássia e Cazuza,
Lennon e Elvis,
Todos anjos
Agora só tocam lira...

A AIDS virou gripe
A bala antes encontrada agora é perdida
A violência está coisa maldita!

A maconha é calmante
O professor é agora o facilitador
As lições já não importam mais
A guerra superou a paz
E a sociedade ficou incapaz...

... De tudo.

Inclusive de notar essas diferenças

Luis Fernando Veríssimo

( ... )

Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer,


tudo gasta, tudo digere, tudo acaba...


São as feições como as vidas, que não há mais certo sinal


de haverem de durar pouco, que terem durado muito.


São como as linhas, que partem do centro para a circunferência,


que quanto mais continuadas, tanto menos unidas.


Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino;


porque não há amor tão robusto que chegue a ser velho.



De todos os instrumentos

com que o armou a naturezao desarma o tempo.

Afrouxa-lhe o arco, com que já não atira;

embota-lhe as setas, com que já não fere;

abre-lhe os olhos com que vê o que não via;

e faz-lhe crescer as asas, com que voa e foge.

A razão natural de toda esta diferença

é porque o tempo tira novidade às coisas,

descobre-lhe os defeitos, enfastia-lhe o gosto,

e bastam que sejam usadas para não serem as mesmas.

Gasta-se o ferro com o uso, quanto mais o amor?!

O mesmo amar é causa de não amar

e o ter amado muito, de amar menos
( ... )

segunda-feira, 6 de abril de 2009

..sem parar de pensar em você

Sem parar de pensar em você, vou me recompondo, tentando escapar dum caminho que nem sei mais qual é, nem qual é que é, nem por onde é... enfim, você é a vontade externada do meu coração. Você é como um perfume o qual se tem o doce, mas não enjôo. Você é uma fruta que amadurece, mas nunca passa da hora... Você tem sempre dentro de mim um pedaço que nem por santidade outrem conquistaria. Sobretudo, não somos, mas quando seremos?

Téo

sexta-feira, 3 de abril de 2009

ultimos dias de março

...passara o dia pensando nele, em sua forma “desagradável” de ser, na sua maneira como encarava a vida, parecia que ele levava tudo de forma tão banal...queria poder lhe telefonar, lhe ouvir, e ela o ouvia de forma atenta, até mesmo quando ele silenciava, e mesmo quando seus lamentos lhe doíam a alma, quando ele lhe dizia para não sentir falta daquilo que é ruim, mesmo assim ela queria ouvi-lo um pouco mais, apesar dele não entender que pra ela, ele fora o que lhe havia acontecido de melhor nos últimos tempos, mesmo de formas tão distintas eles eram tão iguais. Pediu para que ela se afastasse enquanto fosse tempo, ele dizia usar as pessoas, ser incapaz para o amor, que seu coração jamais conhecera o doce sabor de amar...mesmo sem entende-lo e com o coração cheio de duvidas ela decidiu que assim fosse...ele presume não ser mais nada pra ela, logo pra ela que passara os últimos dias do mês de março, tentando fazer com que ele sentisse que ela lhe despertara para o amor...quanta pretensão a dele em achar que poderia dizer-lhe somente “esqueça-me” e ela esqueceria de tudo o que ouvira até ali, nos últimos dias de março...ela vestira sua mascara do orgulho, tinha medo de se magoar, como tantas vezes fora magoada, ela queria que seu orgulho lhe impedisse de chorar como uma menina, pois pensava não ter mais idade para amores adolescentes, ela evitara chorar quando nos últimos dias de março descobrirá que seu desagradável cavalheiro havia se refastelado em um outro corpo, e depois disso, depois de suas confidencias, depois de seus pedidos ela não se sentiu mais no direito de lhe pedir que deixasse que ela se tornasse o melhor dos acontecimentos nos últimos dias de março...


Lucy

terça-feira, 31 de março de 2009

Adeus, Adeus ( Bye Bye - Mariah Carey )

Isso é para as pessoas que acabaram de perder alguém
Seu melhor amigo, seu bebê, seu esposo ou sua esposa
Levante suas mãos bem alto
Nós nunca iremos dizer adeus (não, não, não)
Mães, pais, irmãs, irmãos, amigos e primos
Isso é para as pessoas que perderam suas avós
Levante sua cabeça para o céu
Pois nunca iremos dizer adeus

Quando criança, havia aqueles momentos
Em que eu não entendia muito bem, mas você me mantinha na linha
Eu não sabia por que você não aparecia nas manhãs de Domingo
E eu sentia sua falta
Mas estou feliz que nós conseguimos conversar sobre isso
Todas aquelas coisas que a separação nos trás
Você nunca me avisou
Você nunca deixou isso a amostra porque você me amou
E obviamente haveria muito mais coisas a falar
Se você estivesse aqui comigo face a face

(REFRÃO)
Eu nunca pensei que eu poderia sofrer assim
E todo dia que a vida passa eu desejo
Que eu possa conversar com você um pouco
Eu sinto saudade, mas tento não chorar enquanto o tempo passa
E é verdade que você alcançou um lugar melhor
Mas eu daria o mundo para ver seu rosto e estar perto de você
Mas parece que você foi muito cedo
Agora a coisa mais difícil é dizer adeus
Adeus, adeus, adeus, adeus, adeus, adeus
Adeus, adeus, adeus, adeus, adeus, adeus
Adeus, adeus, adeus, adeus, adeus, adeus,
Adeus, adeus

E você nunca teve a chance de ver como eu estou
E você nem me viu voltando ao primeiro lugar
Eu queria que você estivesse aqui para comemorarmos juntos
Eu queria que nós pudéssemos passar os feriados juntos
Eu lembro quando você me colocava na cama a noite
Com o ursinho que você me deu que eu apertava tão forte
Eu achava que você era tão forte que você conseguiria passar por tudo
É tão difícil ter de aceitar o fato que você foi embora para sempre

(REFRÃO)
Eu nunca pensei que eu poderia sofrer assim
E todo dia que a vida passa eu desejo
Que eu possa conversar com você um pouco
Eu sinto saudade, mas tento não chorar enquanto o tempo passa
E é verdade que você alcançou um lugar melhor
Mas eu daria o mundo para ver seu rosto e estar perto de você
Mas parece que você foi muito cedo
Agora a coisa mais difícil é dizer adeus
Adeus, adeus, adeus, adeus, adeus, adeus
Adeus, adeus, adeus, adeus, adeus, adeus
Adeus, adeus, adeus, adeus, adeus, adeus,
Adeus, adeus

Isso é para as pessoas que acabaram de perder alguém
Seu melhor amigo, seu bebê, seu esposo ou sua esposa
Levante suas mãos bem alto
Nós nunca iremos dizer adeus
Mães, pais, irmãs, irmãos, amigos e primos
Isso é para as pessoas que perderam suas avós
Levante sua cabeça para o céu
Pois nunca iremos dizer adeus

(REFRÃO)
Eu nunca pensei que eu poderia sofrer assim (Eu nunca soube)
E todo dia que a vida passa eu desejo
(E todo dia da minha vida eu desejarei)
Que eu possa conversar com você um pouco
(Eu desejarei)
Eu sinto saudade mas eu tento não chorar enquanto o tempo passa
(Desejarei, desejarei que o tempo passe)
E é verdade que você alcançou um lugar melhor
(E é verdade que você alcançou um lugar melhor)
Mas eu daria o mundo para ver seu rosto
(Mas eu daria o mundo para ver seu rosto)
E estar perto de você
(E estar perto de você)
Mas parece que você foi muito cedo
Agora a coisa mais difícil é dizer adeus
(Agora a coisa mais difícil é dizer adeus)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus
(Adeus)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus

(É tão difícil dizer adeus, adeus, adeus, adeus, adeus, adeus)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus
(Então venham todos cantar isso comigo)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus
(Erga suas mãos bem alto)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus
(Isso é para as pessoas que acabaram de perder alguém)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus
(Então isso é para todo mundo)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus
(Apenas levante suas mãos para o céu)
Adeus adeus adeus adeus adeus adeus
(Porque nós nunca iremos dizer)
Adeus adeus

segunda-feira, 30 de março de 2009

50 receitas - Leoni

"Eu respiro tentando encher os pulmões de vida, mas ainda é difícil deixar qualquer luz entrar.
Ainda sinto por dentro toda dor dessa ferida, mas o pior é pensar que isso um dia vai cicatrizar.
Eu queria manter cada corte em carne viva, a minha dor em eterna exposição, e sair nos jornais e na televisão só pra te enlouquecer até você me pedir perdão.

Eu já ouvi 50 receitas pra te esquecer e só me lembram que nada vai resolver, porque tudo, tudo me traz você e eu já não tenho pra onde correr

O que me dá raiva não é o que você fez de errado, nem seus muitos defeitos, nem você ter me deixado, nem seu jeito fútil de falar da vida alheia, nem o que eu não vivi aprisionado em sua teia.
O que me dá raiva são as flores e os dias de sol, são os seus beijos e o que eu tinha sonhado pra nós, são seus olhos e mãos e seu abraço protetor.
É o que vai faltar. O que fazer do meu amor?!

Eu já ouvi 50 receitas pra te esquecer e só me lembram que nada vai resolver, porque tudo, tudo me traz você e eu já não tenho pra onde correr."

sexta-feira, 27 de março de 2009

Você está perto dos 30 anos e se deparou consigo sentada no sofá pensativa, refletindo sobre questões como "o que eu estou fazendo da minha vida?" ou "preciso arrumar um marido, mas como?". Algumas vezes também precisa ouvir os outros perguntarem "por que ainda não arrumou um emprego estável?" ou "você não vai ter filhos?". Não fique nervosa, saiba que é uma situação normal para essa faixa etária e que você não é pior do que ninguém. Não que todas as mulheres passem por isso, mas muitas chegam a essa idade e têm um comportamento auto-avaliativo que pode levar à depressão - às vezes o julgamento sequer vem de você, e sim da família e amigos. É a chamada "crise dos 30 anos".

O escritor Honoré de Balzac imortalizou a figura da mulher de 30 anos com crises na vida afetiva em seu livro A mulher de 30 anos, dando origem à expressão "mulher balzaquiana" para as mulheres nessa faixa de idade que estão em conflito emocional. A psicóloga e psicoterapeuta Olga Inês Tessari explica que, a princípio, a crise dos 30 anos não se trata de uma doença. "É um sentimento que está relacionado a uma questão cultural, que pressupõe que a essa idade a mulher já está encaminhada na vida: já construiu uma carreira e está casada ou prestes a se casar. Então ela se sente pressionada a atender a essas expectativas."

Algumas mulheres são solteiras por escolha própria, porque decidiram priorizar a profissão, por exemplo. No entanto, elas também não escapam do rótulo de "encalhadas", o que gera um conflito emocional. "Ao mesmo tempo em que ela quer ser uma 'grande mulher', uma profissional bem sucedida, a sociedade faz com que ela queira ser a dona-de-casa que cuida do marido e dos filhos", avalia a psicóloga Beth Valentim. "E mesmo na questão da gravidez, dependendo da pessoa é possível ter filhos mais tarde, aos 40 anos, com acompanhamento médico", lembra Beth.

Olga adverte sobre os problemas que esses sentimentos podem acarretar. "Essa cobrança eleva a ansiedade, o que pode levar a problemas de memória, de concentração, e ela fica irritadiça", diz. O comportamento pode levar à depressão, necessitando de ajuda profissional.

Além disso, em casos mais graves, a ansiedade leva à bulimia, anorexia ou à obesidade. O TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) também tem a ver com esse vazio que a mulher sente, o que pode levá-la a adquirir manias.

Cobranças
A crise dos 30 anos pode ter relação com diversos aspectos da vida cotidiana, desde a vida familiar e profissional até a sua sexualidade.

Casamento
Talvez a principal causa da crise, para a maioria das mulheres, seja quando a mulher acredita que só será completa se tiver um homem ao seu lado. Outro agravante é quando os amigos começam a casar e a mulher solteira se sente sozinha porque perde as companheiras de balada, ou então porque não pode mais visitar os amigos casados a qualquer hora, por medo de ser inconveniente.

"Algumas pacientes me dizem que precisam se casar porque os amigos casaram, e ela se sente deslocada", conta Olga. "O perigo é que elas acabam se casando com o primeiro que aparece, e isso trará ainda mais sofrimento para elas depois", adverte.

Outro problema é a mulher abrir mão de sua vida para viver em função do amor. Alguns namorados reclamam que elas trabalham demais e não têm tempo para eles. Se ela largar tudo para dedicar-se à relação, geralmente é na faixa dos 30 anos que sentirá falta de tudo o que deixou de fazer e do que não construiu - especialmente se o namoro ou casamento terminar.

Para Mariana*, 30 anos, está cada vez mais difícil encontrar um homem para casar porque a sua exigência aumenta com a idade. "Agora estamos mais voltadas para formar uma família, queremos algo mais sério", conta. "Eu sei que é preconceito meu também, de achar que estou velha apesar de não parecer ter 30 anos. Mas as pessoas olham feio quando a gente sai à noite nos bares, acham que somos 'garotas de boate' porque temos 30 anos e estamos solteiras", desabafa.

Filhos
Muitas vezes, uma conseqüência de não casar é a mulher chegar aos 30 anos sem filhos - a não ser que seja mãe solteira, o que também pode gerar preconceito. O relógio biológico indica que ela não pode demorar muito, porque seu potencial reprodutivo diminui após a terceira década de vida, com o envelhecimento e diminuição da quantidade de óvulos. Sem contar as doenças ginecológicas e o risco de aborto espontâneo, que aumentam com a idade.

Para Beth Valentim, a maternidade pode ser uma escolha entre o lar ou a profissão. "Com esse ritmo de trabalho, se você for bem-sucedida não tem tempo de ser mãe.", explica.

É preciso ter cuidado porque é comum as mulheres terem filhos apenas para segurar o namorado ou obrigá-lo a casar. "Isso não resolve o assunto. São poucas as relações que sobrevivem depois de um filho inesperado", analisa Olga.

Beleza
E o espelho? Antes um aliado para te deixar irresistível, agora parece que ele joga contra você e mostra como envelheceu, como está mais gorda, com mais olheiras e com aquele ar de cansada. Mesmo que ainda seja uma idade jovem, a sua aparência passa longe do frescor dos seus vinte anos.

No caso da agente de turismo Claudia Uilza, 35 anos, o estopim para a crise dos 30 anos foi sua aparência. "Me sentia feia, gorda, não queria sair de casa. Só usava roupas largas, 'de velha'", conta. Na época, Claudia, que tem 1,65m, pesava 90 kg. Sem mencionar as dores nos joelhos e nas costas.

Para Beth, a competição entre as mulheres é um fator agravante na falta de auto-estima em relação à beleza, quase uma neurose. "A mulher começa a se achar feia porque se compara com a mulher de 20 anos e começa a se achar velha", explica. "Nossos 30 anos são o auge da nossa beleza. A partir dos 40, as marcas começam a se acentuar, então é preciso cuidar da pele, do cabelo."

Sexualidade
Teoricamente, aos 30 anos a mulher já é bem resolvida no sexo, sabe o que a agrada e sabe transmitir seus desejos ao parceiro. No entanto, uma mulher insegura não consegue se soltar na cama, levando à própria insatisfação. Ou seja, quem está preocupada com a aparência, com o que os outros pensam dela, se vai ter filhos ou casar, pode ter dificuldades de curtir o sexo.

Essa falta de prazer e o pensamento de que homens preferem transar com alguém mais nova podem contribuir para uma crise aos 30 anos.

Conselhos
As profissionais sugerem algumas dicas para quem enfrenta essa fase da vida.

- Ter 30 anos é só um marco social, tanto faz se você tem 30, 32 ou 25. Reflita se essas cobranças são pressões externas ou se o seu desejo é realmente casar e ter filhos.

- Para casar, é preciso escolher bem o homem certo. A convivência será impossível se não houver intimidade e cumplicidade entre você e ele.

- Lembre-se de que os homens também podem ser vítimas de suas crises de choro e inseguranças. Eles, às vezes, até querem casar, mas preferem ter condições financeiras de arcar com as despesas. Não os apresse demais.

- Se o seu sonho é realmente casar e ter filhos, vá atrás mas não viva em função desse objetivo. Assuma sua condição de solteira e conheça gente, saia para a balada. Mas não deixe de sair com seus amigos casados.

- Antes de cogitar ter um filho, pense em como será a sua vida depois disso. É preciso abrir mão de passeios, jantares românticos, noites de sono, sem contar nas despesas. Pondere se você está disposta a encarar essa nova etapa sem precisar depender da ajuda dos outros - talvez não seja hora de ter um filho se ele tiver que ser criado por sua mãe, por exemplo.

A alegria dos 30
Apesar de tantas dúvidas e aflições, há quem goste de chegar aos 30 anos. Beth Valentim destaca algumas vantagens de ser uma balzaquiana:

- Se tiver uma formação adequada, a mulher pode estar em uma posição privilegiada no trabalho, com experiência e até uma especialização no currículo.

- Sua beleza está no auge, porque perdeu o ar de menininha e agora é uma mulher decidida, sabe olhar nos olhos firmemente e não tem medo de encarar a vida de maneira realista.

- Sexualmente ela sabe que o orgasmo é importante e não banaliza mais o sexo. Tem auto-conhecimento de seu corpo e mais maturidade emocional.

- Se for mãe, está em uma idade de muita vitalidade para aproveitar com os filhos, porque ainda é jovem mas já é madura e responsável.

É o caso da técnica ambiental Simone Fukuji, 34 anos, que afirma que sua vida só melhorou depois que passou dos 30 anos. "Antes era retraída, agora gosto de sair, conhecer gente. "Ela teve filho aos 20 e aos 24 anos, e agora que eles estão mais crescidos, pôde voltar a estudar. "Quero mais é ser feliz", alegra-se.

Mesmo Claudia Uilza, que não gostava do seu próprio corpo, depois que decidiu fazer academia sente-se "poderosa". "Faço duas horas de academia por dia, com seis alimentações leves por dia, parei de fumar e de tomar refrigerante. Hoje, diz com orgulho que está com 75 kg e usa saias curtas, calças coladas e decotes.

Já Mariana, apesar da preocupação em casar e ter filhos, confessa que agora aos 30 anos sente-se mais bonita. "Me formei cedo, então aos 28 anos já tinha uma vida mais estável, pude me exercitar, malhar, comprar o que queria com meu próprio dinheiro. Fisicamente estou bem melhor", admite.


* O nome foi alterado à pedido da entrevistada

Serviços:
Olga Inês Tessari, psicóloga e psicoterapeuta
otessari@hotmail.com
http://ajudaemocional.tripod.com

Beth Valentim, psicóloga e autora
btdvalentim@yahoo.com.br
http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com

Redação Terra
Existem vários livros sobre como conquistar um homem, o que fazer na primeira transa, segredos masculinos que devemos saber. Mas a verdade é que no dia-a-dia é difícil encontrarmos um bom partido. Na maioria das vezes cruzam nossos caminhos apenas tipos sem graça ou, pior, que queremos longe das nossas vidas.
Podem ser bobos, sem encantos, até mesmo mal-cheirosos. Confira as melhores dicas para se livrar de vez dos homens indesejados. Elas irão ajudá-la a se livrar dos caras que, por infelicidade, acabamos conhecendo e com quem até nos envolvemos.

Aja como louca
Essa medida é um pouco desesperada, mas funciona. Agir como uma psicótica pode soar um pouco falso, então tenha certeza de que será uma boa atriz. Seja carinhosa, fale coisas amáveis ao pé do ouvido, e logo em seguida comece a gritar com ele, acusá-lo de qualquer coisa. Ouça vozes que conversam com você do "além", diga que a televisão faz barulhos à noite e que ela quer te dizer alguma coisa. Nem você agüentaria um tipo assim.

Fale dos seus ex
Comece a conversa normalmente, mas aos poucos vá lembrando do seu ex, ou de todos os ex-namorados, e conte intimidades. Por exemplo, como eles eram bons na cama, as loucuras de amor que fez por eles, a cor de suas cuecas preferidas, as lingeries que eles te davam e o que vocês faziam depois, como eram lindos e fortes, como você gostava quando eles te beijavam perto da orelha. O indesejado provavelmente tentará mudar de assunto, mas não deixe que isso aconteça e tenha certeza de que, com isso, não haverá um próximo encontro.

Melhores amigos
Homens têm dificuldade em aceitar os melhores amigos da mulher, especialmente quando os amigos são homens também. Compará-lo ao seu melhor amigo, lembrando de deixar implícito que o seu amigo é mais legal e mais compreensivo, afasta até o mais persistente dos caras. Ao passar por uma loja, fale alto o suficiente para ele ouvir que o seu amigo iria adorar tal produto. Mantenha a figura dele presente nas conversas. Conte de viagens que fizeram juntos, das risadas, de como ele te ajudou a superar tantos momentos ruins. Às vezes esse tipo de conversa é ainda mais desagradável do que mencionar ex-namorados, porque o amigo continua lá.

Seja grudenta
Faça com que ele prove do seu próprio remédio. Se ele não larga do seu pé, você pode fazer o mesmo. Ao se despedir depois de um encontro, diga que o ama e não pode viver sem ele. Depois de meia hora ligue para dizer que está com saudades e precisa dele. Continue ligando a noite inteira, se conseguir até chore de tanto que sente sua falta. Em algum momento ele irá parar de atender, então deixe recados na caixa postal para declarar todo o seu amor, cada vez de forma mais intensa.

Seja melosa
Apelidos carinhosos são bons para uma vida a dois, mas não na frente dos amigos. Por isso, crie apelidos como "chuchuzinho", "meu tesouro", "neném", "diamantinho" e transforme-os em nomes oficiais especialmente perto dos amigos dele. Se ele reclamar, diga que é uma prova do quanto o ama e, se ele não retribuir, quer dizer que não te ama. Se funcionar, ele dirá que não te ama e você poderá deixá-lo para trás.

Atinja a sua masculinidade
Se tem algo que os homens não gostam é de ter a masculinidade ferida. E não precisa nem duvidar da porção "macho man" deles, basta obrigá-los a fazer algo que não consideram "coisa de homem". Por exemplo, insista para que ele te acompanhe a uma balada gay. E mais: faça com que ele dance. Se der vá para perto dos go-go dancers e curta a balada dançando ao lado deles e se enturmando - e obrigando o seu parceiro a fazer o mesmo. Ou então marque horário na manicure para você e para ele, porque "homens que cortam e cuidam das unhas são mais atraentes".

Programas de índio
Tudo bem que ele é um mala e você não quer que sua família o conheça, mas se está difícil dispensar o tipo, apele para aquele priminho levado. Reserve um sábado inteiro, de preferência um no qual ele tenha marcado uma partida de futebol, e leve-o para ser babá da pestinha. Deixe claro que seu primo é pequeno e não podem gritar com ele, e que ele simplesmente adora brincar de cavalinho. Adivinhe quem será o cavalo?

Tome posse das suas coisas
O que é seu, é meu. Esse é o lema. Na casa dele, sinta-se à vontade, use as coisas dele como se fossem suas. A xícara preferida, o notebook, leve alguns DVDs emprestados, assista à novela ou a um filme quando ele quiser ver o noticiário. Só não use as roupas dele, porque os homens tendem a achar isso sexy. Outro exemplo é reprogramar as estações do rádio do carro, tirando aquelas que ele adora e colocando as que ele não suporta - mas que, por coincidência, são justamente as que você mais ouve.

Espelho, espelho meu
Tudo bem que você se sente bem consigo mesma, se cuida e se acha atraente. Mas se mostrar insegura e pedir que ele afirme a toda hora como você é a mulher mais bonita do mundo é um ótimo jeito de irritá-lo. Só que não basta colocar um vestido dos tempos da sua avó e perguntar se ficou bonita, invista em comparações. Por exemplo, ao ver um filme com a Angelina Jolie, vire e pergunte "você me acha mais bonita do que ela?". Se ele tiver um pouco de bom senso e responder que sim, não pare: pergunte o porquê, o que você tem que ela não tem, até ele ficar sem respostas.

Acompanhante
Levá-lo para fazer compras é certeza de acabar com a paciência dele. Mesmo que não vá de fato comprar muitas coisas, gaste muito tempo experimentando roupas, sapatos, maquiagem. Se for gastar, melhor ainda, porque ele pode passar 4 ou 5 horas carregando sacolas no shopping, andando de um lado para o outro te seguindo. E não se esqueça de, sempre que possível, proferir a frase "ficou bom mas quero pesquisar preços, vamos andar mais um pouco".

Seja dependente
Os homens gostam de mulheres que precisem de sua proteção, que não consigam abrir o pote de azeitonas e tenham que lhes pedir ajuda. Faz com que eles se sintam necessários e fortes. No entanto, tudo o que é demais não é bom. Por isso, se quiser afastar um homem, se transforme em alguém que não faz nada sem o aval dele ou sem consultá-lo. O melhor horário é durante uma reunião de negócios, quando ele estiver bastante ocupado. Ligue no celular dizendo que é uma emergência e se desespere que a Internet caiu e você não consegue acessar o site para ler o seu horóscopo. Ou que está fazendo palavras-cruzadas e empacou em uma palavra que não consegue adivinhar de jeito nenhum. Faça isso ao menos cinco vezes por dia, por qualquer motivo. Não há homem que agüente.

Tome conta dele
Pior do que uma mulher dependente é uma que vira "mãe". Trate-o como se fosse uma criança, faça de tudo: dê comidinha na boca dele (inclusive na frente dos amigos); toda semana faça um calendário com as atividades que ele tem que fazer, tanto no trabalho como para você; comece a escolher suas roupas, faça-o trocar todo o guarda-roupa porque ele "não sabe escolher" (aproveite e pegue uns modelos que ele não gosta e vai ter vergonha de usar).

Critique
Ele gosta de rock? Então você prefere axé. Ele não suporta o cheiro de peixe? Então você está louca para comer um sashimi. Ele quer ir ao cinema? Então você sugere um almoço na casa dos seus pais. Ele tem aquela camisa de estimação, azul, que usa há dois anos? Você a acha feia e avisa que, se ele não jogá-la fora, você jogará. Estar com alguém "do contra" cansa qualquer um, e por mais que o ditado diga que os opostos se atraem, é impossível passar momentos agradáveis com quem só reclama de tudo o que você gosta e faz. Abuse dessa tática.

Amigos
Os amigos devem sempre ser um empecilho. Se ele quiser sair com os amigos, diga que prefere um programa a dois. Se ele quiser uma noite especial com você, diga que não dá porque vai sair com suas amigas. E existem ainda duas opções: você odiar ou amar os amigos dele. Se você não se der bem com os amigos dele, começar a criticá-los, dizer que são má influência, é bem provável que ele comece a pensar isso de você e desista da relação. Por outro lado, há a opção de você adorar os amigos dele e até marcar de sair com eles quando ele estiver preso no trabalho. Admire-os, fale deles a toda hora, escolha um para ser o "queridinho". De tanto ciúme é capaz de ele se separar de você para não te perder para os amigos.

Agora não
A falta de apetite sexual é decepcionante para ele. A velha desculpa do "estou com dor de cabeça" ou "estou cansada" pode funcionar uma ou duas vezes, mas não sempre. Se os caprichos, manhas e grude não deram certo, tente demonstrar falta de interesse no sexo todas as vezes que estiverem juntos. Com certeza ele vai entender que há algo errado e, se funcionar, vai tentar a sorte com outra pessoa e te deixar em paz.

Redação Terra
O mundo seria um lugar melhor se os homens só adquirissem o direito de ter PAU depois de aprender todas as possibilidades eróticas da língua e dos dedos. Antes de mais nada: essa não é uma crítica ao falo. De forma alguma.

Ele é útil, a gente usa e gosta. Bastante.. É realmente envaidecedor vê-lo reagindo aos nossos estímulos e se transformando de tímido e assustado em suntuoso e implacável. Aliás, só uma coisa dá mais tesão numa mulher do que causar tesão: ser excitada.

E aqui entram a língua e os dedos. Literalmente. Esqueça o magnânimo priapo por uns instantes. Acredite se quiser, mas não somos uma seqüência de buracos dispostos ao seu bel-prazer (eles também servem ao nosso).


E é exatamente assim, bonecas infláveis, que nos sentimos quando não somos devidamente investigadas, quando tratadas feito pizza fria: comida às pressas. Temos pele, cabelos, pernas, braços, virilha, uma série infindável de territórios pouquíssimo explorados pela maioria dos machos e, vou te contar, é uma delícia sentir a mão de um homem passando por nossas coxas infindável ultrapassando a barreira do elástico do sutiã, puxando de leve o cabelo perto do pescoço. Os dedos percorrendo a pele fininha do nosso seio, a língua tocando a orelha - mais do que o carinho em si, esses gestos traduzem a dedicação, o envolvimento com nosso corpo. E é aí que nos sentimos vistas, exploradas, únicas. E então nos invade a vontade controlável de virarmos a mais competente das devassas, utilizarmos sabiamente sua ereção e fazê-los (e a nós também, claro) gozar feito loucos. O melhor círculo vicioso do universo.

Depois de vislumbrar a miríade de possibilidades que o encontro de dois corpos (inteiros) nos reserva, beira o impossível compreender qual o raciocínio tortuoso que leva um homem a resumir o sexo ao bate-estaca.

Não tiro o mérito da penetração porque, serei justa, é um momento crucial na transa. Se sexo fosse cardápio, meu pedido seria o combo número 1: língua + dedos + fala. A ausência de qualquer um dos itens causa a mesma sensação de ir ao Mc Donald's e não pedir refrigerante e batata frita: parece que nem estivemos lá.

Ser penetrada é crucial, gostoso, íntimo, invasor, impactante. Mas, se isso fosse suficiente pra satisfazer as mulheres, vocês teriam, há milênios, sido substituídos pelos pepinos. MULHER QUE SE VIRE: Eles estão pouco se importando com o orgasmo feminino. Se somos assim tão independentes, a gente que se resolva? Se gostamos tanto de dedo e léngua, por que não viramos lésbicas? Ora, ora, que imaturo dizer essas besteiras.

Amigo, se você transa com a énica intenção de botar pra dentro, sugiro que desista dessa coisa chata, repetitiva e reclamona chamada mulher e entregue-se sem culpa ao reino vegetal: bananeiras e mamão morno são ótimas opções: macios, molhadinhos, não conversam depois de transar, não pedem pra ficar abraçados, nem questionam seus sentimentos por eles.

Fácil e econômico. A verdade é uma só: homem que não curte preliminares não gosta de mulher, gosta de buraco. Sendo assim, que tal um tórrido momento a dois com uma estonteante mesa de sinuca? HEIN???

(Autor Desconhecido)

quarta-feira, 25 de março de 2009

Não, não ofereço perigo algum: sou quieta como folha de outono esquecida entre as páginas de um livro, definida e clara como o jarro com a bacia de ágata no canto do quarto - se tomada com cuidado, verto água límpida sobre as mãos para que se possa refrescar o rosto, mas se tocada por dedos bruscos num segundo me estilhaço em cacos, me esfarelo em poeira dourada. Tenho pensado se não guardarei indisfarçáveis remendos das muitas quedas, dos muitos toques, embora sempre os tenha evitado aprendi que minhas delicadezas nem sempre são suficientes para despertar a suavidade alheia, e mesmo assim insisto - meus gestos e palavras são magrinhos como eu, e tão morenos que, esboçados à sombra, mal se destacam do escuro, quase imperceptível me movo, meus passos são inaudíveis feito pisasse sempre sobre tapetes, impressentida, mãos tão leves que uma carícia minha, se porventura a fizesse, seria mais branda que a brisa da tardezinha.

Mas desde que, há duas semanas, uma cigana desvendou as fracas linhas das palmas de minha mão, pouco sossego encontro até em meu próprio sossego: dois amores, ela apontou, um já passado, e com amargura localizei na memória aquele sôfrego Estudante, e outro em breve por chegar. Desde então, me desconheço. Abreviaram-se-me as idas ao banheiro para molhar os pulsos e os lóbulos das orelhas, animando a circulação que se me estanca nas veias, por vezes olvido a torneira aberta e surpreendo-me a odiar minhas próprias tranças, as manchas roxas sob os olhos e tudo que me torna assim, fugaz. Mal posso conter um susto investigando o porte de cada homem que se aproxima, em cada esquina que dobro, em cada ônibus que tomo para ir e vir, sinto que busco prometido e me detesto por essa inquietação febril, pelo amor que desconheço e mal consigo supor, tão parca é minha vida de memórias ou medidas. Esforço-me por dar-lhe pinceladas tênues, não me atrevo aos óleos nem aos acrílicos, é nos guaches e sobretudo nas aquarelas que procuro o verde esmaecido de sua tez, mas por vezes alguma coisa se alvoroça e me surpreendo alucinada, incontrolável, a chafurdar em tintas fortes, berrantes cores primárias, formas toscas, símbolos sensuais, e é então que mergulho em banhos gelados no meio da noite para apaziguar a carne incompreensível, fremente qual Teresa d’Ávila, afogada entre lençóis, as palavras da cigana me embalando feito uma berceuse, imagino se não será o próprio Senhor este que se aproxima, e não conheço. Em cada junho, sei que não suportarei o próximo agosto, me debato elaborando aquela futura tarde gris para encontrá-lo - não aqui, entre torpezas, mas numa outra dimensão de luz maior, além de meu próprio corpo, irmão-burro aprisionado pelos instintos, num espaço discreto e contido como eu mesma venho sendo através destas quase três décadas que, álgida, sobrepujei. Sobrevivo a cada manhã quando, cruzando as portas e corredores que me conduzem às ruas intermináveis, imagino sempre que sou invisível para cada um dos que passam. Ninguém suspeita de meu segredo, caminho severa pelas calçadas, olhos baixos para que minha sede não transpareça: ah sou tão morena e magrinha que ninguém me adivinha assim como tenho andado - castamente cinzelada no topo deste morro onde os ventos não cessam jamais de uivar, tendo entre as mãos, como quem segura lírios maduros dos campos, uma espera tão reluzente que já é certeza.

terça-feira, 24 de março de 2009

...Hoje quando abri para o mundo a janela do meu quarto, parecia ser somente mais um dia, mas de uma certa me sentia um pouco mais animada, mais feliz, eperando que a vida hoje viesse me oferecer algo diferente do que eu estava vivendo todos esses dias..de uma certa forma eu sentia falta das nossas conversas, dos nossos desentendimentos a troco de nada, e você as vezes coloca um abismo tão imenso entre nós, e aquilo que é tudo de repente vira nada! Foi bom nosso afastamento, não queria que me visse derrotada destruida, com desejos de morte, procurando entender aquilo que eu não sei explicar, e muito menos sei onde encontro a explicação, não queria que me sentisse triste, com vontade morrer, pedindo, implorando, ansiando pela morte, uma vez que eu sempre briguei contigo por causa dessa mania besta que você tem de querer morrer, de negar a sua doce existência aqueles que te amam.
Mas de algum modo hoje foi diferente, sua doce presença se fez, chegou a você minhas vibrações positivas pra que voltasse a escrever, e segundo você a mim chegou os desejos do sonho que tivera comigo a noite...Quero que saibas que mesmo que nunca venha ler isso, mesmo que nunca venhamos a nos conhecer pessoalmente, você tem uma participação especial no livro da minha vida e nele tem paginas dedicadas a você, as vezes não precisamos de presença real para as pessoas se tornarem parte de nossas vidas, não preciso te tocar pra ter a certeza de que vócê é muito especial pra mim...



Lucy

sábado, 21 de março de 2009

Rifa-se um coração

Rifa-se um coração quase novo.
Um coração idealista.
Um coração como poucos.
Um coração à moda antiga.
Um coração moleque que insiste
em pregar peças no seu usuário.
Rifa-se um coração que na realidade está um
pouco usado, meio calejado, muito machucado
e que teima em alimentar sonhos e, cultivar ilusões.
Um pouco inconseqüente que nunca desiste
de acreditar nas pessoas.
Um leviano e precipitado coração
que acha que Tim Maia
estava certo quando escreveu...
"...não quero dinheiro, eu quero amor sincero,
é isso que eu espero...".
Um idealista...Um verdadeiro sonhador...
Rifa-se um coração que nunca aprende.
Que não endurece, e mantém sempre viva a
esperança de ser feliz, sendo simples e natural.
Um coração insensato que comanda o racional
sendo louco o suficiente para se apaixonar.
Um furioso suicida que vive procurando
relações e emoções verdadeiras.
Rifa-se um coração que insiste em cometer
sempre os mesmos erros.
Esse coração que erra, briga, se expõe.
Perde o juízo por completo em nome
de causas e paixões.
Sai do sério e, às vezes revê suas posições
arrependido de palavras e gestos.
Este coração tantas vezes incompreendido.
Tantas vezes provocado.
Tantas vezes impulsivo.
Rifa-se este desequilibrado emocional
que abre sorrisos tão largos que quase dá
pra engolir as orelhas, mas que
também arranca lágrimas
e faz murchar o rosto.
Um coração para ser alugado,
ou mesmo utilizado
por quem gosta de emoções fortes.
Um órgão abestado indicado apenas para
quem quer viver intensamente
contra indicado para os que apenas pretendem
passar pela vida matando o tempo,
defendendo-se das emoções.
Rifa-se um coração tão inocente
que se mostra sem armaduras
e deixa louco o seu usuário.
Um coração que quando parar de bater
ouvirá o seu usuário dizer
para São Pedro na hora da prestação de contas:
"O Senhor pode conferir. Eu fiz tudo certo,
só errei quando coloquei sentimento.
Só fiz bobagens e me dei mal
quando ouvi este louco coração de criança
que insiste em não endurecer e,
se recusa a envelhecer"
Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se por
outro que tenha um pouco mais de juízo.
Um órgão mais fiel ao seu usuário.
Um amigo do peito que não maltrate
tanto o ser que o abriga.
Um coração que não seja tão inconseqüente.
Rifa-se um coração cego, surdo e mudo,
mas que incomoda um bocado.
Um verdadeiro caçador de aventuras que ainda
não foi adotado, provavelmente, por se recusar
a cultivar ares selvagens ou racionais,
por não querer perder o estilo.
Oferece-se um coração vadio,
sem raça, sem pedigree.
Um simples coração humano.
Um impulsivo membro de comportamento
até meio ultrapassado.
Um modelo cheio de defeitos que,
mesmo estando fora do mercado,
faz questão de não se modernizar,
mas vez por outra,
constrange o corpo que o domina.
Um velho coração que convence
seu usuário a publicar seus segredos
e a ter a petulância de se aventurar como poeta

Clarice Lispector

Pertencer

Um amigo meu, médico, assegurou-me que desde o berço a criança sente o ambiente, a criança quer: nela o ser humano, no berço mesmo, já começou. Tenho certeza de que no berço a minha primeira vontade foi a de pertencer. Por motivos que aqui não importam, eu de algum modo devia estar sentindo que não pertencia a nada e a ninguém. Nasci de graça. Se no berço experimentei esta fome humana, ela continua a me acompanhar pela vida afora, como se fosse um destino. A ponto de meu coração se contrair de inveja e desejo quando vejo uma freira: ela pertence a Deus. Exatamente porque é tão forte em mim a fome de me dar a algo ou a alguém, é que me tornei bastante arisca: tenho medo de revelar de quanto preciso e de como sou pobre. Sou, sim. Muito pobre. Só tenho um corpo e uma alma. E preciso de mais do que isso. Com o tempo, sobretudo os últimos anos, perdi o jeito de ser gente. Não sei mais como se é. E uma espécie toda nova de "solidão de não pertencer" começou a me invadir como heras num muro. Se meu desejo mais antigo é o de pertencer, por que então nunca fiz parte de clubes ou de associações? Porque não é isso que eu chamo de pertencer. O que eu queria, e não posso, é por exemplo que tudo o que me viesse de bom de dentro de mim eu pudesse dar àquilo que eu pertenço. Mesmo minhas alegrias, como são solitárias às vezes. E uma alegria solitária pode se tornar patética. É como ficar com um presente todo embrulhado em papel enfeitado de presente nas mãos - e não ter a quem dizer: tome, é seu, abra-o! Não querendo me ver em situações patéticas e, por uma espécie de contenção, evitando o tom de tragédia, raramente embrulho com papel de presente os meus sentimentos. Pertencer não vem apenas de ser fraca e precisar unir-se a algo ou a alguém mais forte. Muitas vezes a vontade intensa de pertencer vem em mim de minha própria força - eu quero pertencer para que minha força não seja inútil e fortifique uma pessoa ou uma coisa. Quase consigo me visualizar no berço, quase consigo reproduzir em mim a vaga e no entanto premente sensação de precisar pertencer. Por motivos que nem minha mãe nem meu pai podiam controlar, eu nasci e fiquei apenas: nascida. No entanto fui preparada para ser dada à luz de um modo tão bonito. Minha mãe já estava doente, e, por uma superstição bastante espalhada, acreditava-se que ter um filho curava uma mulher de uma doença. Então fui deliberadamente criada: com amor e esperança. Só que não curei minha mãe. E sinto até hoje essa carga de culpa: fizeram-me para uma missão determinada e eu falhei. Como se contassem comigo nas trincheiras de uma guerra e eu tivesse desertado. Sei que meus pais me perdoaram por eu ter nascido em vão e tê-los traído na grande esperança. Mas eu, eu não me perdôo. Quereria que simplesmente se tivesse feito um milagre: eu nascer e curar minha mãe. Então, sim: eu teria pertencido a meu pai e a minha mãe. Eu nem podia confiar a alguém essa espécie de solidão de não pertencer porque, como desertor, eu tinha o segredo da fuga que por vergonha não podia ser conhecido. A vida me fez de vez em quando pertencer, como se fosse para me dar a medida do que eu perco não pertencendo. E então eu soube: pertencer é viver. Experimentei-o com a sede de quem está no deserto e bebe sôfrego os últimos goles de água de um cantil. E depois a sede volta e é no deserto mesmo que caminho!
Clarice Lispector

sexta-feira, 13 de março de 2009

"Meu Deus, não sou muito forte, não tenho muito além de uma certa fé - não sei se em mim, se numa coisa que chamaria de justiça-cósmica ou a-coerência-final-de-todas-as-coisas. Preciso agora da tua mão sobre a minha cabeça. Que eu não perca a capacidade de amar, de ver, de sentir. (...) Que eu não me perca, que eu não me fira, que não me firam, que eu não fira ninguém. Livra-me dos poços e dos becos de mim, Senhor. (...) Sinto uma dor enorme de não ser dois e não poder assim um ter partido, outro ter ficado com todas aquelas pessoas"
Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 12 de março de 2009

E se realmente gostarem? Se o toque do outro de repente for bom? Bom, a palavra é essa. Se o outro for bom para você. Se te der vontade de viver. Se o cheiro do suor do outro também for bom. Se todos os cheiros do corpo do outro forem bons. O pé, no fim do dia. A boca, de manhã cedo. Bons, normais, comuns. Coisa de gente. Cheiros íntimos, secretos. Ninguém mais saberia deles se não enfiasse o nariz lá dentro, a língua lá dentro, bem dentro, no fundo das carnes, no meio dos cheiros. E se tudo isso que você acha nojento for exatamente o que chamam de amor? Quando você chega no mais íntimo, No tão íntimo, mas tão íntimo que de repente a palavra nojo não tem mais sentido. Você também tem cheiros. As pessoas têm cheiros, é natural. Os animais cheiram uns aos outros. No rabo. O que é que você queria? Rendas brancas imaculadas? Será que amor não começa quando nojo, higiene ou qualquer outra dessas palavrinhas, desculpe, você vai rir, qualquer uma dessas palavrinhas burguesas e cristãs não tiver mais nenhum sentido? Se tudo isso, se tocar no outro, se não só tolerar e aceitar a merda do outro, mas não dar importância a ela ou até gostar, porque de repente você até pode gostar, sem que isso seja necessariamente uma perversão, se tudo isso for o que chamam de amor. Amor no sentido de intimidade, de conhecimento muito, muito fundo. Da pobreza e também da nobreza do corpo do outro. Do teu próprio corpo que é igual, talvez tragicamente igual. O amor só acontece quando uma pessoa aceita que também é bicho. Se amor for a coragem de ser bicho. Se amor for a coragem da própria merda. E depois, um instante mais tarde, isso nem sequer será coragem nenhuma, porque deixou de ter importância. O que vale é ter conhecido o corpo de outra pessoa tão intimamente como você só conhece o seu próprio corpo. Porque então você se ama também.
Fico tão cansada às vezes, e digo pra mim mesma que está errado, que não é assim, que não é este o tempo, que não é este o lugar, que não é esta a vida. E fumo, e fico horas sem pensar absolutamente nada: (...)Claro, é preciso julgar a si próprio com o máximo de rigidez, mas não sei se você concorda, as coisas por natureza já são tão duras para mim que não me acho no direito de endurecê-las ainda mais."
"Tô exausta de construir e demolir fantasias. Não quero me encantar com ninguém."
Ah, fumarás demais, beberás em excesso, aborrecerás todos os amigos com tuas histórias desesperadas, noites e noites a fio permanecerás insone, a fantasia desenfreada e o sexo em brasa, dormirás dias adentro, noites afora, faltarás ao trabalho, escreverás cartas que não serão nunca enviadas, consultarás búzios, números, cartas e astros, pensarás em fugas e suicídios em cada minuto de cada novo dia, chorarás desamparado atravessando madrugadas em tua cama vazia, não consegurás sorrir nem caminhar alheio pelas ruas sem descobrires em algum jeito alheio o jeito exato dele, em algum cheiro estranho o cheiro preciso dele(...)

sábado, 7 de março de 2009

(...) Costumo dizer que algumas almas são perfumadas, porque acredito que os sentimentos também têm cheiro e tocam todas as coisas com os seus dedos de energia. Minha mãe era alguém assim. Ela perfumou muitas vidas com sua luz e suas cores. A minha, foi uma delas. E o perfume era tão gostoso, tão branco, tão delicado, que ela mudou de frasco, mas ela continua vivo no coração de tudo o que ela amou. E tudo o que eu amar vai encontrar, de alguma forma, os vestígios desse perfume de Deus, que, numa temporada, se vestiu de Cristina, para me falar de amor.

Pensei em deixar muitas coisas aqui escritas, mas tudo que eu escrevesse teria gosto de saudade daquelas que machucam o peito, e nos fazem chorar. Me resta dizer que ficou muita coisa pra serem ditas entre nós, muitos conselhos os quais eu não pude pedir, o abraço carinhoso pra me confortar por algo não ter dado certo, o incentivo que não ouvi, a força pra me fazer com que eu seguisse em frente...sinto por não ter te agradecido pelas coisas que fez por mim, pelo carinho gratuito me dedicado, pelas noites q passou velando meu sono, enquanto eu não estava bem...Mãe tudo o que quero que saiba é que de onde estiver, acredito que um dia ainda vou te econtrar, e que sem você simplesmente me sinto incompleta, como se me faltasse um pedaço eternamente...te disse muitas vezes mas mesmo assim acho que foram poucas Te amo!!!


Sonhando
Mr Gyn
Composição: Anderson Richards

Se passo o dia, paro e escuto o vento
E ainda não posso entender
Como o improvável insiste em acontecer
Se ando sempre no mesmo caminho
E ainda me encontro com alguém
E vejo que não estou sozinho, eu sei
Se passa o dia, o tempo e conto as horas, e eu sem
Perceber
Que estou parado vendo o seu retrato,e não vou mais te
Ver
E vou tentando aceitar
As vezes fujo, corro de mim mesmo, canso e me esqueço
De lutarSabendo que não posso ser tão tolo assim
Quando me vejo já estou cantando
Solto minha voz e desabafo enfim
Se o telefone toca, eu já sei mesmo que não é você
Se tudo que um dia me falou, eu vejo agora acontecer
Se a saudade aperta e eu não tenho nada a fazer
Senão apenas chorar
Não vou mais querer explicar, eu já sei
Alguém me soprou e falou
Tudo sobre você, que ainda eu vou te ver
Eu quero deitar e sonhar outra vez
Tocar, te ouvir, te sentir
E poder te dizer, como eu amo você
Tocar o meu violão e te ver
Me pedindo pra viver


Lucy

sexta-feira, 6 de março de 2009

Saudade by Miguel Falabella

Em alguma outra vida, devemos ter feito algo de muito grave,Para sentirmos tanta saudade...Trancar o dedo numa porta dói.Bater com o queixo no chão dói.Torcer o tornozelo dói.Um tapa, um soco, um pontapé , doem.Dói bater a cabeça na quina da mesa,Dói morder a língua, dói cólica, cárie e pedra no rim.Mas o que mais dói é a saudade.Saudade de um irmão que mora longe,Saudade de uma cachoeira da infância,Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais,Saudade do pai que morreu, do amigo imaginário que nunca existiu,Saudade de uma cidade,Saudade da gente mesmo, que o tempo não perdoa.Doem estas saudades todas.Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama.Saudade da pele, do cheiro, dos beijos. Saudade da presença, e até da ausência consentida.Você podia ficar no quarto e ela na sala, sem se verem, mas sabiam-se lá.Você podia ir para o dentista e ela pra faculdade, mas sabiam-se onde.Você podia ficar o dia sem vê-la, ela sem vê-lo, mas sabiam-se amanhã.Contudo, quando o amor de um acaba, ou torna-se menor, Ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.Saudade é basicamente não saber.Não saber mais se ela continua fungando num ambiente frio.Não saber se ele continua sem fazer a barba por causa daquela alergia.Não saber se ela ainda usa aquela saia.Não saber se ele foi à consulta com o dermatologista como prometeu.Não saber se ela tem comido bem por causa daquela mania de estar sempre culpada,Se ele tem assistido às aulas de inglês, se aprendeu a entrar na internet,A encontrar a página do Diário Oficial, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros,Se ele continua preferindo Malzebier, se ela continua detestando McDonalds,Se ele continua amando, se ela continua a chorar até nas comédias.Saudade é não saber mesmo!Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, Não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento,Não saber como frear as lágrimas diante de uma música,Não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.É não saber se ela está feliz, e ao mesmo tempo perguntar a todos os amigos por isso...É não querer saber se ele está mais magro, se ela está mais bela.Saudade é nunca mais saber de quem se ama, e ainda assim doer.Saudade é isso que eu estive sentido enquanto escreviaE o que você provavelmente estará sentindo depois que acabar de ler

quinta-feira, 5 de março de 2009

...

dan:
Ele faz tudo errado.TUDO.Quando ele consegue o que ele quis, quando tem já não quer.Larga a mão do que ele já tem e passa então a amar tudo que não ganhou.Confunde,organiza e desorganiza quando quer e não pede licença.Adora a dificuldade.Se for simples deixa pra lá(apesar de sempre falar pra quem quiser que odeia coisa complicada),mas ele complica se for simples.O que ele quer ele consegue e se não consegue fala: ‘Eu não queria tanto’.Adimite que erra,mas não corrige e nem quer.Sempre diz que nunca chora,mas eu já vi e garanto que nisso ele é normal(pelo menos nisso). Ter uma vida com ele é tudo, menos normal.Me irrita com muita facilidade.É bom brigar com ele.Quando a gente briga começa a rir um do outro no meio da briga,por um jeito que o outro fala ou gagueja(e não é pouco não viu?)Ele só sente o valor de tudo que tem quando já não tem.Quando ri a gente não consegue ver o olho e por isso cmg eu nunca consegui olhar bem nos olhos dele… mas ele é lindo mesmo assim..

eLÊ:
porque SÓ cntg eu consigo alcançar uma felicidade incomparável.porque cntg eu posso ser muito mais..porque nada é maior e melhor do que dividir tudo com você,estar com você,amar você.NADA.
e hoje,agente descobriu que amor não chega nem perto da tradução do que a gente sente.vai muito mais além.
e eu poderia sorrir eternamente e não seria necessário tatuar em voce todas as telas do mundo por um sorriso meu, sincero.Bastaria te ter aqui,cmg.Bastaria te ver sorrir tbm.Bastaria nossos sonhos e nossa vontade de realiza-los permanecerem intactos.bastaria apenas VOCÊ.
e enquanto isso tudo existe,é eterno.mas vc foi embora e nem entendo o motivo pelo qual foi.mas foi.increvel né?encontrei aquilo tudinho e msmo assim não foi o bastante,acho q faltou vontade..que acabou tornando com que as vicissitudes parecessem maiores.só sei que com voce,aprendi que acordar ao lado de quem você ama (ainda que com medo) é uma experiência que vale a vida.
Te Amo.muito mais que ontem e muito menos que amanhã.

para alguem....

Quantas vezes andei te procurandoNão sei, não contei.Não percebi que te procurava.Te queria sem saber,Te sabia e te amava sem querer.Te sinto meu, te quero a meu lado.Quero te ver feliz em minhas manhãs,Ver teu despertar, teus olhos me encontrando,Tua boca me deixando sentir teu primeiro gosto,Teu hálito quente e teu cheiro de sono.Me misturar com teu sonho,Sem saber ao certo se já desperto,Ou se te envolvo em meus encantos,Em nosso desejo macio e brancoSentir teu suspiro ao meu toque, Beijar o teu corpo e ouvir teus gemidos,Assim te quero, menino, perdido...Te quero e te chamo, e sem chances,Simplesmente te abraço,E deixo minha mão na tua,Na calma de dois em um só.Porque já te encontrei, E sei quem é você. Você sabe de mim.E deste momento em diante nosso caminho se funde,por instantes, breve momentos...Mesmo sem saber ao certo por onde andaremos...Mas o que importa é o hoje, o agora!


Lucy

quarta-feira, 4 de março de 2009

A oração que eu esqueci ( Paulo Coelho)

Senhor, Proteja as nossas dúvidas, porque a Dúvida é uma maneira de rezar. É ela que nos faz crescer, porque nos obriga a olhar sem medo para as muitas respostas de uma mesma pergunta. E para que isto seja possível, Senhor, proteja as nossas decisões, porque a Decisão é uma maneira de rezar. Dai-nos coragem para, depois da dúvida, sermos capazes de escolher entre um caminho e outro. Que o nosso sim seja sempre um sim, e o nosso não seja sempre um não. Que uma vez escolhido o caminho, jamais olhemos para trás, nem deixemos que nossa alma seja corroída pelo remorso. E para que isto seja possível, Senhor, proteja as nossas ações, porque a Ação é uma maneira de rezar. Fazei com que o pão nosso de cada dia seja fruto do melhor que levamos dentro de nós mesmos. Que possamos, através do trabalho e da Ação, compartilhar um pouco do amor que recebemos. E para que isto seja possível, Senhor, proteja os nossos sonhos, porque o Sonho é uma maneira de rezar. Fazei com que, independente de nossa idade ou de nossa circunstância, sejamos capazes de manter acesa no coração a chama sagrada da esperança e da perseverança. E para que isto seja possível, Senhor, dai-nos sempre entusiasmo, porque o Entusiasmo é uma maneira de rezar. É ele que nos liga aos Céus e à Terra, aos homens e às crianças, e nos diz que o desejo é importante e merece nosso esforço. É ele que nos afirma que tudo é possível, desde que estejamos totalmente comprometidos com o que fazemos. E para que isto seja possível, Senhor, proteja-nos, porque a Vida é a única maneira que temos para manifestar o Teu milagre. Que a terra continue transformando a semente em trigo, que nós continuemos transmutando o trigo em pão. E isto só é possível se tivermos Amor - portanto, nunca nos deixe em solidão. Dai-nos sempre a Tua companhia, e a companhia de homens e mulheres que têm dúvidas, agem, sonham, se entusiasmam, e vivem como se cada dia fosse totalmente dedicado à Tua glória. Amém.

Dar é Dar

Fazer amor é lindo, é sublime, é encantador, é esplêndido.Mas dar é bom pra cacete. Dar é aquela coisa que alguém te puxa os cabelos da nuca...Chama-te de nomes que eu não escreveria...Não te vira com delicadeza...Não sente vergonha de ritmos animais.Dar é bom. Melhor do que dar, só dar por dar.Dar sem querer casar...Sem querer apresentar pra mãe...Sem querer dar o primeiro abraço de Ano Novo. Dar porque o cara te esquenta a coluna vertebral...Te amolece o gingado...Te molha o instinto. Dar porque a vida é estressante e dar relaxa.Dar porque se você não der pra ele hoje, vai dar amanhã, ou depois de amanhã. Tem pessoas que você vai acabar dando, não tem jeito.Dar sem esperar ouvir promessas, sem esperar ouvir carinhos, sem esperar ouvir futuro.Dar é bom na hora.Durante um mês. Para os mais desavisados, talvez anos. Mas dar é dar demais e ficar vazio. Dar é não ganhar. É não ganhar um "eu te amo" baixinho perdido nomeio do escuro. É não ganhar uma mão no ombro quando o caos da cidade parece querer te abduzir. É não ter alguém pra querer casar, pra apresentar pra mãe, pra dar o primeiro abraço de Ano Novo e pra falar: "Que que cê acha, amor?"É não ter companhia garantida pra viajar.É não ter pra quem ligar quando recebe uma boa notícia.Dar é não querer dormir encaixadinho...É não ter alguém pra ouvir seus dengos...Mas dar é inevitável...Dê mesmo, dê sempre, dê muito...Mas dê mais ainda, muito mais do que qualquer coisa, uma chance ao amor. Esse sim é o maior tesão...Esse sim relaxa, cura o mau humor,ameniza todas as crises e faz você flutuar...
(Luís Fernando Veríssimo)